Pesquisar neste blog

ANTES DE SAIR DESTE BLOG CLIC NUMA DE NOSSAS PUBLICIDADES

ACONTECENDO VOCÊ FICA SABENDO, AQUI:

domingo, 18 de julho de 2010

OS FRUTOS DO FESTIVAL


Alguns não o conhecem, mas Cainã Alves frequenta o Festival desde pequeno, pois é de Antonina, e agora trabalha na organização. Ele sempre participou das oficinas e quando começou a estudar música, com nove anos, participou apenas das que tinham relação com música, principalmente as relacionadas com a Orquestra Filarmônica.

Alguns parentes de Cainã também têm formação musical, mas ele é o único que está concretizando o sonho de se tornar músico. "Através do Festival aprendi muitas técnicas, conheci muitas pessoas e o contato com os ministrantes foi muito interessante", afirma.

O saxofonista agora estuda música na UFPR e declara que deve muito ao Festival. Este é o terceiro ano que Cainã vem com a equipe da organização e ele espera vir a muitos outros. "Só não sei se conseguiria dar oficina, mas vai que um dia dá vontade".

Não só artistas fizeram suas escolhas por causa do Festival. Mayrã Medeiros participa das atividades na Praça Coronel Macedo desde pequena. Antes a menina vinha para brincar e adorava os jogos coletivos. "Uma vez a gente montou um time na praça durante o Festival que depois participou até de competições", diz.

Mayrã agora cursa o segundo ano de Educação Física na UFPR e está trabalhando como monitora na praça. "Agora eu vejo que quando eu era criança tinha monitores cuidando de mim e eu nem percebia", conta.

Ela conta que as brincadeiras na praça ajudaram a definir sua escolha profissional. Ela já queria ter vindo trabalhar no Festival de 2009, mas tinha feito uma cirurgia e não pôde vir. "Eu estava esperando muito para vir pra cá esse ano", afirma.

Pedro Solak, músico, vem para o Festival há 14 anos. No começo ele vinha apenas nos fins de semana, portanto o primeiro contato que teve foi com os espetáculos. Quando permanecia a semana inteira fazia cerca de três oficinas por edição enquanto seus amigos faziam uma.
Antes Pedro trabalhava na área artística, mas não com música. Foi aqui em Antonina que ele redescobriu a música, pois quando criança tinha aprendido violão e piano. "O Festival me deu abertura para sair do padrão e abrir a cabeça", explica.

O músico já participou como aluno e ministrante de várias oficinas e montou grupos musicais no Festival. Ele também já veio se apresentar com os grupos Mundaréu, Badulaque, Boizinho Faceiro, Samba do Severo e Voa Voa. "A energia aqui é muito boa, por isso eu não me importo em vir como aluno, ministrante ou para apresentar", conta.

As irmãs gêmeas Carmela e Bruna Bardini vêm desde 2003 para o Festival e este ano estão ministrando a oficina "Danças Circulares", uma para adultos e uma para crianças.
A oficina infantil, ministrada por Bruna, já tinha sido aprovada no ano passado, mas foi cancelada e ficou para este ano. "No fim foi até melhor porque agora eu e Carmela estamos dando aula ao mesmo tempo", afirma Bruna. Carmela, mesmo trabalhando, se sente de férias por causa do ambiente do Festival, que tira as pessoas do cotidiano.

Carmela espera vir mais vezes para o Festival, seja como ministrante ou como aluna. "Essa expectativa de vir para Antonina é muito grande, todos esperam esse momento"


Fonte: Assessoria de Comunicação da Universidade Federal do Paraná

Nenhum comentário: